segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2008

The butterfly effect


"Efeito borboleta” é um termo que se refere à teoria do caos que defende que o bater das asas de uma simples borboleta pode influenciar o curso natural das coisas e, assim talvez provocar um tufão do outro lado do mundo, ou seja, os resultados finais de qualquer coisa, dependem sensivelmente das condições iniciais da sua alimentação. O efeito borboleta é caracterizado por um sistema aberto e, portanto, dinâmico, complexo e adaptativo, o que significa que quando tomarmos uma decisão mínima com espontaneidade, estamos a contribuir para uma transformação inesperada de um futuro incerto. Assim sendo, existe uma impossibilidade de previsão perfeita, pois os dados de alimentação são infinitos. Daí que uma pequena variação das condições em determinado ponto de um sistema dinâmico pode ter consequências de proporções inimagináveis. Muitas vezes buscamos leis uniformes, universais, de modo a conseguirmos adivinhar o futuro, numa tentativa impetuosa de controlar os mistérios da vida. Pois bem, a vida e o destino são o resultado de um sistema causa-efeito que tem uma margem de erro bastante elástica; a palavra “aleatório” ganha extrema relevância neste plano de insegurança.
Existem pessoas que lutam para esquecer o seu passado, o que é impossível acontecer, e outras que, por não estarem satisfeitas com ele, tentam incessantemente, modificá-lo. Por vezes o nosso passado parece um filme de tão surreal, por isso as pessoas acabam por achar que podem voltar atrás no tempo e tentar fazer as coisas de outra maneira. Isso é uma ilusão. O problema é que quando tentamos mudar uma coisa no presente, tudo o resto muda. A vida nem sempre toma o rumo que esperamos e não podemos destruir o passado sem destruir o futuro.
Mesmo que a vida tenha sido dura no passado, porquê mudá-la se já aprendemos com todos os nossos erros e nos tornámos pessoas melhores? Se tal não acontece é sinal que devemos reflectir um pouco sobre isso. Hoje em dia acho que as pessoas deveriam aprender a ser felizes novamente, simplesmente porque por serem demasiado materialistas, quando perdem tudo acabam por não saber valorizar o “pouco” que têm, nem sequer a própria vida.
Conheço muitas pessoas que ainda não se encontraram, simplesmente porque acomodam-se à rotina do dia-a-dia ou porque não se conformam e começam a enlouquecer aos poucos. A cada dia que passa torna-se mais difícil de enfrentar a vida. É compreensível quando temos uma perspectiva um pouco pessimista do mundo.A verdade é que o tempo não volta atrás e sempre que tentamos mudá-lo só o pioramos e ao pensarmos demasiado nele, ficamos de tal maneira agarrados que deixamos de conseguir viver o presente. Seria tão mais fácil vivê-lo se os nossos medos e os nossos fantasmas não nos perseguissem a toda a hora, mas o mais acertado a fazer é aceitar o passado porque ele já passou e a partir do presente edificar uma nova vida. Foi isso que eu fiz. Comecei do zero e hoje sou uma pessoa muito feliz, embora nem tudo corra como eu quero, nem eu seja perfeita. Agradeço a todos os que me magoaram, especialmente àqueles que o tenham feito intencionalmente, porque sem eles não seria quem hoje sou nem teria esta visão maravilhosa do mundo.

1 comentário:

Vítor Silva disse...

Estou plenamente de acordo contigo.
O passado é apenas uma "cassete" que permanece na memória.Parece irónico, mas na maior parte das vezes relembramos os maus momentos.São esses que permanecem eternamente mais do que os bons.
Hoje vivemos num mundo recheado de ignorância, hipocrisia e cinismo,todavia, existem sujeitos nas quais podem colmatar essas falhas. Basta apenas vencê-los com o amor,a esperança,paz e alegria, porque mais tarde os "maus" render--se-ão aos nossos pés.
O futuro nunca será escrito, tudo o que for feito na actualidade pelas pessoas será o destino traçado,seja péssimo ou benéfico.

PS: Continua com o bom trabalho
Beijinhos